Projeto da Flora Tietê premiado pela Fundação Banco do Brasil será conhecido mundialmente

O trabalho realizado pela ONG de Penápolis será traduzido para três línguas e estará disponível do banco de dados da Fundação

Carlos Figueiredo, diretor da Fundação BB (à esquerda), Marli Costa Brandão, e José Borges (à direita)

Carlos Figueiredo, diretor da Fundação BB (à esquerda), Marli Costa Brandão, e José Borges (à direita)

A Flora Tietê começa a dar seus primeiros passos internacionais. Isso porque o projeto desenvolvido junto à comunidade rural – de auxilio na geração de rendas em assentamentos agrários com a doação de mudas de eucaliptos – recebeu sua certificação pela Fundação Banco do Brasil, na manhã desta sexta-feira. Além de receber o prêmio de Tecnologias Sociais e se classificar entre os trinta melhores trabalhos do país, o projeto ainda será traduzido para três idiomas e estará disponível no site da Fudação BB.

Durante a solenidade estiveram presentes representantes da Fundação, Diretores da Flora Tiete, Diretores do Banco do Brasil e autoridades locais e das cidades beneficiadas pelo projeto. De acordo com Marli Aparecida Costa Brandão, gerente do Banco do Brasil e voluntária no Projeto da Flora Tietê, o reconhecimento e a visibilidade que o projeto ganhou colocarão a Flora Tietê como uma referência no setor. “O trabalho desenvolvido pela Flora esta documentado em nosso site e será traduzido para, pelo menos, três idiomas e ficará disponível em nosso banco de dados. Isso fará da Flora Tietê conhecida mundialmente”, afirmou.

Para o diretor da ONG, José Borges, é uma vitória, pois se trata de uma premiação muito disputada por concorrentes de todo o Brasil. “É muito gratificante ver o trabalho reconhecido por uma importante Instituição como a Fundação Banco do Brasil, que nos enche de motivação para continuarmos combatendo a destruição do planeta e, quem sabe, conseguirmos reverter a situação de penúria em que se encontra”, finalizou.

Realizado a cada dois anos, o Prêmio tem por objetivo identificar, certificar, premiar e difundir tecnologias sociais já aplicadas, implementadas em âmbito local, regional ou nacional, que sejam efetivas na solução de questões relativas à alimentação, educação, energia, habitação, meio ambiente, recursos hídricos, renda e saúde.

Flora Tietê: Um dos maiores viveiros particulares do Estado de São Paulo.

A Flora Tietê atua em todo o Estado de São Paulo e conta com dois viveiros de mudas, localizados nos municípios de Penápolis e São José do Rio Preto. Já foram plantadas mais de 30 milhões de mudas viáveis – mudas que se transformaram em árvores de 130 espécies diferentes, todas nativas do Brasil – o que garantiu um dos recordes da organização. Entre as espécies produzidas, muitas estão em risco de extinção, como por exemplo: Pau-brasil, Mogno, Cedro-rosa, Jequitibá-rosa e Jequitibá-branco. As mudas de espécies nativas produzidas são utilizadas na recuperação de matas ciliares, na manutenção de fragmentos florestais e em projetos de repovoamento de áreas degradadas. Em conjunto, os dois viveiros de mudas são capazes de produzir quatro milhões de mudas por ano, o que torna a FLORA TIETÊ um dos maiores viveiros particulares do Estado de São Paulo.

 Além de tudo isso, a FLORA TIETÊ fundou há 9 anos o Parque de Educação Ambiental – PARBI, que visa educar através de um parque temático situado em sua sede na cidade de Penápolis-SP. Com visitas escolares, de associações e do público em geral, busca a conscientização ambiental de crianças e adultos na formação de sua cidadania, com o objetivo de garantir uma melhor qualidade de vida para a população. O PARBI já recebeu, desde sua fundação, mais de 35.000 crianças cadastradas em livros de visitas, de escolas públicas e privadas da cidade e região.